Hiroshi Bogéa On line

Polícia Civil do Pará bate recorde de prisões e aparece em terceiro no ranking nacional

O ex-secretário de Segurança Institucional de Marabá, delegado Alberto Teixeira, está mostrando sua competência à frente da Direção Geral da Polícia Civil do Estado.

Ao participar da Operação Cronos II, realizada nesta terça-feira, 28, em 21 Estados e no Distrito Federal, ao mesmo tempo, a PC paraense se superou, fazendo cumprir mandados judiciais de prisão de envolvidos em homicídios em 130 municípios.

Alberto Teixeira  mobilizou mais de 400 policiais civis e 121 viaturas, que resultou em 86 pessoas presas em todo Estado.

Esse foi o maior número de prisões de autores de homicídios, em uma única operação, realizadas pela Polícia Civil no Estado.

O número de prisões fez com que a Polícia Civil do Pará ficasse em terceiro lugar no ranking nacional de prisões durante a operação.

Os resultados da operação aqui no estado foram divulgados durante uma coletiva de imprensa, na sede da Delegacia-Geral e reuniu jornalistas, o delegado-geral, Alberto Teixeira; delegado Sérvulo Cabral, diretor de Polícia Especializada, e delegado Raphael Cecim, diretor da Polinter.

Ao todo, 250 mandados de prisão ainda em aberto foram levantados para a operação.

No Estado, foram usados recursos tecnológicos, como um drone, durante a operação, para captação de imagens aéreas e para facilitar o acesso aos alvos pelas equipes policiais.

Entre as prisões realizadas em Belém, está a de Ronaldo Abbate de Carvalho, foragido da Justiça do Estado de Pernambuco, acusado da autoria de um homicídio nesse Estado, em janeiro em 2010.

Ele foi localizado em Belém e já está à disposição da Justiça pernambucana.

No interior do Estado, 19 presidiários encarcerados no presídio do Centro de Recuperação Regional de Redenção, sudeste do Pará, tiveram os mandados de prisão cumpridos, durante a operação, como resultado de inquérito policial.

Eles foram identificados como os autores das mortes de três detentos em rebelião ocorrida no último dia 12, na casa penal.

Agora a Polícia Civil espera que com a prisão dos autores de homicídios a prática de novos crimes em todo o estado. Todos os presos foram conduzidos para as sedes de Delegacias, de onde foram encaminhados ao Sistema Penitenciário do Estado.

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *