Hiroshi Bogéa On line

Paraenses fecham BR-155 contra o governo Temer

 

Nesta quarta-feira, 15, o Brasil parou do Oiapoque ao Chui.

Em quase todos os mais de cinco mil municípios, paralisações ocorreram em diversas atividades econômicas.

No Estado do Pará, pipocaram manifestações contra o governo de Michel Temer nos municípios polos, com ocorrência de rodovia fechadas, transporte público paralisado e passeatas em ruas e avenidas.

No Sul do Pará, mais propriamente em Xinguara – a rodovia BR-155 foi bloqueada de 16h30 até às 17h30.

Uma hora de tráfego de veículos impedidos.

Dos dois lados opostos do ponto bloqueada, um engarrafamento de cinco quilômetros.

Alguns motoristas reclamaram inicialmente do bloqueio, mas depois entenderam a intenção do movimento, recebendo explicações dos coordenadores do bloqueio.

Faixas com dizeres diversos, predominando o já conhecido “Fora, Temer”, condenavam o atual governo federal, irradiando insatisfação diante da propalada reforma da Providência e dos demais direitos sociais que a gestão Michel Temer está enterrando.

As fotos de Cibele Nunes Cabral mostram momentos do fechamento da rodovia BR-155, cujo movimento foi organizado pelo Sintepp, assentados do Projeto Casulo e diversos segmentos da sociedade de Xinguara.

 

Autor 

2 Comentários

  1. Thiago

    21 de Março de 2017 - 17:41
    Reply

    Como se alguém fosse cancelar o projeto de lei por conta de meia duzia de gatos pingados que atrapalharam centenas de trabalhadores do Sul do Pará a trabalhar ou voltar para suas casas. A maioria são de curiosos que nem sequer entendem o que se passa.
    Deveriam ir ocupar a porta da casa do nunca visto deputado Beto Salame, ele sim tem acesso as instancias superiores ou supostamente teria se tivesse alguma expressão política.

  2. Djalma Guerra

    18 de Março de 2017 - 18:55
    Reply

    Temos que dar pressão no deputado Beto Salame que já traiu o povo votando a favor da pec 241 para que não traia mais uma vez votando a favor deste crime contra o trabalhador.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *