Hiroshi Bogéa On line

O que Mário Ribeiro teria relatado à Polícia Federal?

Há  preocupações generalizadas entre integrantes do staff político de Helder Barbalho, depois que  o colunista Lauro Jardim, de O Globo, noticiou a intenção do economista Mário Ribeiro fazer delação premiada à Polícia Federal.

Preocupações potencializadas, principalmente, no rastro das referências éticas que marcam a biografia de Mário Ramos Ribeiro.

O que se sabe, até agora, é o conteúdo da nota publicada no blog de Lauro Jardim, que diz:

 

 

“O Ministério da Integração Nacional pode ser foco de uma temporada animada nas próximas semanas.

Mario Ribeiro, secretário-executivo de Helder Barbalho e Antonio de Pádua no Ministério da Integração Nacional (no cargo desde abril), pediu demissão do cargo há dez dias e foi à PF relatar práticas administrativas não ortodoxas nos últimos meses. Nada mal para um governo já entalado até a medula em denúncias.”

 

 

Se realmente a nota procede, a ida do economista à uma delegacia da Polícia Federal poderá causar danos.

Pelo menos é assim que uma pessoa acostumada a costear o alambrado dos Barbalhos vê a situação.

Por que?

Exercendo por muito tempo a Secretaria-Executiva do Ministério da Integração Nacional, tanto na gestão de Helder quanto na do atual ministro Antonio de Pádua, o suposto delator teria a chave dos segredos e das estratégias de licitações em mãos.

O que ele sabe sobre o que fizeram no verão passado?

Só ele, somente ele, pode dizer agora.

—————–

Atualização às 18:12 – 31/07

 

Lauro Jardim atualizou seu post sobre o assunto acima, divulgando manifestação de Mário Ribeiro:

 

(Atualização, às 18h23 do dia 30. O ex-secretário-executivo Mario Ribeiro enviou o seguinte esclarecimento: “A bem da verdade e, considerando o alcance e a importância nacional da sua coluna, gostaria de esclarecer que não fui à Polícia Federal. Solicitei,  por ofício, o apoio da CGU para realizar uma “auditoria interna de conformidade” (que investiga eventual ilegalidade), ou mesmo sindicância, a critério técnico da própria CGU, para sanar possíveis ilicitudes e apurar responsabilidades de conduta eventualmente irregular de dois servidores comissionados, que atuavam na Diretoria de Gestão Interna do MI. Na condição de Secretário Executivo, tomei as medidas legais de minha alçada para apuração das irregularidades apontadas e, por discordar da condução administrativa das condutas em questão, no âmbito do MI, solicitei a minha exoneração do cargo”)

 

Post de 

4 Comentários

  1. Apinajé

    1 de agosto de 2018 - 13:55 - 13:55
    Reply

    Nesse “pega pra capar”do dia a dia,ainda no campo das probabilidades,qualquer pessoa minimamente informada sabe, onde tem Barbalho,tem ilicitudes,não precisa também ser um gênio da raça para imaginar que o SR.Mário Ribeiro,está preventivamente tirando o seu da reta de eventuais cumplicidades em atos pouco republicanos na pasta capitaneada pelo Barbalhinho.
    Esse Helder um dia foi girino,virou rã e nessa metamorfose imaginária,hoje é um tremendo cururu,que se não tivermos espertos,descerá goela abaixo dos paraenses para no final de quatro anos,percebermos todos sua real classificação na cadeia “involutiva”:Ele não passa do produto resultante do trato digestivo,tal o pai,tal o filho.

  2. Ayrton Sobral

    31 de julho de 2018 - 19:36 - 19:36
    Reply

    Caro, sua informação está equivocada. Lauro Jardim em nenhum momento falou em “delação premiada”, e sim em “denúncia”. Além disso, Jardim atualizou a notícia por ele divulgada, corrigindo pontos centrais. Veja:

    Atualização, às 18h23 do dia 30. O ex-secretário-executivo Mario Ribeiro enviou o seguinte esclarecimento: “A bem da verdade e, considerando o alcance e a importância nacional da sua coluna, gostaria de esclarecer que não fui à Polícia Federal. Solicitei, por ofício, o apoio da CGU para realizar uma “auditoria interna de conformidade” (que investiga eventual ilegalidade), ou mesmo sindicância, a critério técnico da própria CGU, para sanar possíveis ilicitudes e apurar responsabilidades de conduta eventualmente irregular de dois servidores comissionados, que atuavam na Diretoria de Gestão Interna do MI. Na condição de Secretário Executivo, tomei as medidas legais de minha alçada para apuração das irregularidades apontadas e, por discordar da condução administrativa das condutas em questão, no âmbito do MI, solicitei a minha exoneração do cargo”)

    • Hiroshi Bogea

      1 de agosto de 2018 - 10:25 - 10:25
      Reply

      Atualização de Lauro Jardim também foi postada no blog.

  3. Flávio Vidal

    31 de julho de 2018 - 18:10 - 18:10
    Reply

    é aguarda pra ver, melhor, para se ouvir.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *