Hiroshi Bogéa On line

Mais um caso de invasão de competência

Já mexi com esse “trem” aqui, e volto a meter a colher na panela.

Não há mais como falar em Estado de direito democrático quando o Judiciário  invade a competência dos demais poderes e decide contra  norma constitucional.

Isto vem ocorrendo  com frequência.

Agora, o babado ocorreu em Parauapebas com a decisão de um juiz de Direito julgar procedente uma ação da Defensoria Pública que exige do governo estadual aumento do efetivo policial em Parauapebas

Exige aumento e ainda designa a quantidade de disponibilização de policiais: 182 policiais militares, 12 policiais civis ( 4 delegados, 8 investigadores e escrivães) bem como implantação do Disque 190 no município.

E não apresenta nenhuma trilha real de onde o Executivo vai extrair recursos financeiro e humano para atender a demanda.

Qual governante não gostaria de espalhar policiais em quantidade suficiente para combater a violência?

Ativismo judicial se consolidando mais do que depressa em todas as partes do país.

Post de 

3 Comentários

  1. Adevaldo souza araujo

    13 de março de 2018 - 11:24 - 11:24
    Reply

    Normalmente o judiciário só se manisfesta quando provocado,se agiu, foi para atender uma demanda de alguém…insisto na tese,quem se sentir prejudicado,que busque instancias superiores.
    Aproxima-se o dia D,veremos então defensores do ilícito bradarem contra a justiça.

  2. Luís Sérgio Anders Cavalcante

    12 de março de 2018 - 17:03 - 17:03
    Reply

    Sr. Hiroshi, embora leigo no assunto, e pelo que vivenciamos diariamente, em nosso país, certos assuntos no âmbito prestação de serviços públicos, volta e meia, vimos Promotores, Juízes e afins, através de ações contra entes públicos, serem acionados, por exemplo, para realizar cirurgias, fornecer medicamentos obrigatórios etc…Então, quando o ente público deixa de realizar sua precípua tarefa, e, os beneficiários de tais atos se veem impossibilitados de fazer frente ao problema tomam decisões unilaterais, para fazer valer seu direito. No caso, a PM, o que,sabemos, e que, o efetivo está sempre defasado, viaturas sucateadas e vai por aí. Ao que parece, tanto o Defensor quanto o Juiz resolveram tomar tal decisão, visando melhora no serviço que a Polícia presta. TO de acordo, e que essas ações se multipliquem. 12.03.18.

  3. Djalma Guerra

    10 de março de 2018 - 23:41 - 23:41
    Reply

    O judiciário está implantando uma ditadura se julgando deuses do Olimpo.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *