Hiroshi Bogéa On line

Hidrovias do Brasil começa a impactar

 

O trânsito de pedestres pela  estrada que dá acesso a antiga chácara do empresário Daniel Franco, às margens do rio Tocantins, e que pertencia, enteriomente, ao já falecido  ex-prefeito de Marabá Geraldo Veloso, foi fechado.

A nova dona do imovel, empresa Hidrovias do Brasil, determinou a proibição de tráfego pela área, hostoricamente usada pelos moradores da Vila São José.

Transforma-se, assim, no primeiro impacto de tantos outros que o porto a ser construído no local provocará na vida dos habitantes do distrito.

Blog alerta Ministério Público  para a necessidade de monitorar os passos dessa empresa em sua relação com os moradores da Vila São José, exigindo da mesma investimentos em compensações aos impactos que o porto levará ao cotidiano dos moradores da localidade.

Post de 

5 Comentários

  1. Hidrovias do Brasil

    2 de fevereiro de 2012 - 10:44 - 10:44
    Reply

    Quem é? Aliás, quem são? Quem a integra. De onde veio. Veio fazer o quê?, Onde montou escritório em Marabá? Representa quem? A Prefeitura já sabe? fechou estrada? E o Ministério Público? E os combatentes do KM 9, onde estão? Que merda toda é essa, será que vai ficar por isso mesmo? Ai de tí, Marabá, diria o profeta Malaquias.

  2. Olhar Feminino

    31 de janeiro de 2012 - 18:56 - 18:56
    Reply

    A questão ambiental no Brasil já experimentou avanços e retrocessos, entretanto esse último tem maior ocorrência e consistência nos últimos anos com desmatamento acelerado e com a fronteira agrícola. Em grandes projetos, sempre a comunidade local sai perdendo. Mesmo que muitas pessoas sejam remanejadas pra outras localidades, sempre se perde algo, que não é concreto, mas que é cultural. O lugar, o ambiente é que faz o comportamento das pessoas. Na vida dos caboclos da terra sem,pre vai ficar o saudosismo do lugar. Nesse caso, para os moradores da vila São José, se vê que é mais que isso, é uma questão de necessidade do lugar, do espaço. Esse caso é típico da apropriação pelo poder, do que pode mais. Lamentável!

    • Hiroshi Bogéa

      31 de janeiro de 2012 - 23:18 - 23:18
      Reply

      Olhar Feminino, “apropriação pelo poder”, com a visão selvagem do capitalismo como se o porto fosse a solução para os males dos excluídos. Você bateu na tecla correta. Valeu, moça!

  3. Fanny

    31 de janeiro de 2012 - 18:28 - 18:28
    Reply

    E mais impactos virão!!!

    • Hiroshi Bogéa

      31 de janeiro de 2012 - 23:20 - 23:20
      Reply

      Fanny,virão, sim. Com a mesma intensidade do rio em período invernoso.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *