Hiroshi Bogéa On line

Força-tarefa combate incêndios na Serra das Andorinhas

Força-tarefa  realizada por vários órgãos continua combatendo incêndios florestais no Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas (Pesam) e na Área de Proteção Ambiental (APA) do Araguaia, no município de São Geraldo do Araguaia

Incêndios já duram mais de 30 dias.

A área tem gestão do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio).

As ocorrências acontecem anualmente, por diferentes causas, que podem ser naturais ou criminosas.

O trabalho conta com o apoio do Corpo de Bombeiros de Marabá; Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), através do Grupamento Aéreo de Segurança Pública do Estado do Pará (Graesp); Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo/Ibama), através da Brigada Indígena Sororó; Grupo de Brigadistas Civil das comunidades do entorno do Parque, além de fazendeiros da região.

O incêndio foi favorecido pelas altas temperaturas, ventos fortes, acesso complicado ao local, e por se tratar de uma área onde o relevo é bastante acidentado.

Todavia, os esforços em conjunto já contribuíram consideravelmente para a diminuição dos focos. Hoje, se encontram apenas dois, concentrados na região do Vale do Sucupira. A previsão é de que até este fim de semana o trabalho no local seja concluído.

Combate a incêndios (foto) florestais no Parque Estadual da Serra dos Martírios/Andorinhas(
Foto Ascom Ideflor)
Post de 

2 Comentários

  1. Adésio Botêlho

    16 de abril de 2018 - 21:48 - 21:48
    Reply

    O fogo surgiu dos pastos do José de Almeida fazendeiro proprietário de grandes áreas de pastagens da região próximo a Vila Sucupira, Que por ser muito rico e poderoso os mais pobres se calam com medo de represarias. Daí o medo de anunciar o incêndio fez com que se alastre rapidamente, os moradores da APA ao saberem do fogo apelam pro contra fogo, o que faz queimar todo o resto e causar tanto prejuízo e atrasos em todos os sentidos. A solução é na época de risco adotarem Agentes Ambientais em mirantes estratégicos de observação com rádios comunicadores, pra que seja rápido avisar qualquer indicio, a conscientização dos moradores da APA e Botar na cadeia os responsáveis não importando se é rico ou não.

  2. Alfredo Nascimento

    19 de setembro de 2017 - 08:51 - 8:51
    Reply

    A realidade na serra das andorinhas e outra esta materia é mentirosa.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *