Hiroshi Bogéa On line

Família Sarney corre risco de não eleger qualquer representante na eleição de domingo

Assim como está ocorrendo no Pará, pesquisas mostrando a situação delicada do senador Jader Barbalho tentando a reeleição (leia AQUI), no vizinho Estado do Maranhão – a família Sarney se debate desesperadamente para colocar no Senado o atual deputado federal Sarney Filho  e reeleger o senador Edison Lobão.

Não está sendo fácil.

Os candidatos ao Senado pelo estado do Maranhão, Weverton Rocha (PDT) e Eliziane Gama (PPS) ameaçam as duas vagas.

O primeiro, Weverton Rocha, lidera as pesquisas.

O segundo, Eliziane Gama, está tecnicamente empatada com Edison Lobão e Sarney Filho.

A situação dos representantes da oligarquia Sarney é tão grave que material gráfico contra os dois candidatos apócrifo foi apreendido pela Polícia Federal.

Ontem, 01, Weverton  e Eliziane Gama concederam coletiva denunciando a família Sarney responsável pelo ato criminoso, solicitando ao Ministério Público Eleitoral (MPE) um mandato de busca e apreensão na sede do jornal O Estado do Maranhão para evitar que outros materiais apócrifos contra suas candidaturas sejam produzidos.

Mais cedo, duas pessoas foram presas pela Polícia Federal nas proximidades do Terminal da Praia Grande, em São Luís, distribuindo um jornal de quatro páginas intitulado “Política em Foco” que trazia informações falsas sobre os candidatos que compõem a coligação do atual governador e candidato à reeleição Flávio Dino (PCdoB).

O material continha o CNPJ da gráfica onde foi impresso: a Gráfica Escolar, a mesma que imprime o jornal O Estado do Maranhão, pertencente à família Sarney.

Para Weverton Rocha, o flagrante da distribuição de material enganoso, produzido na gráfica ligada ao seu adversário político, configura “crime eleitoral”.

“É a abstinência de poder. Já estão percebendo que daqui a pouco ficarão sem seus mandatos. Pediremos ao Ministério Público Eleitoral que tome as providências”, afirmou o pedetista.

Na entrevista, Weverton chamou atenção ainda para o fato de que na nota fiscal apresentada à Polícia Federal pelas duas pessoas presas fazendo a distribuição do material há o valor de R$27 mil, que seria insuficiente para imprimir os 500 mil exemplares de quatro páginas do jornal enganoso que teriam sido impressos.

“Você sabe que com R$27 mil não se roda 500 mil jornais de 4 paginas. Pedi um mandato de busca e apreensão para evitar que mais exemplares como esse circulem pelo Maranhão espalhando mentiras”, pontuou.

Já Eliziane apresentou outras evidências de que a distribuição do jornal seria uma ação orquestrada da família Sarney. Segundo ela, a gráfica que imprimiu o jornal não imprime outros materiais a não ser o jornal O Estado do Maranhão da família Sarney.

“Não é uma gráfica comercial que roda outro tipo de material, é só o jornal O Estado do Maranhão. Abriram uma exceção. Então você vê que é uma ação do grupo [Sarney]“.

Lembrando que Roseane Sarney, filha de José Sarney, deverá perder a eleição para Flávio Dino em primeiro turno, para o Governo do Maranhão.

Pesquisas mostram Dino com o dobro de intenção de votos da concorrente

Post de 

0 Comentários

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *