Hiroshi Bogéa On line

Crime no lago

Este poster sempre se preocupou com o passivo ambiental e a pesca predatória no Lago de Tucuruí. O Ibama deveria demonstrar no imenso reservatório da hidrelétrica a mesma disposição com que caça caminhões de carvão e enfrentar, com apoio da Polícia Federal, as barbáries praticadas ali. Em muitos casos, são crimes de efeitos bem mais nocivos à natureza do que a questão da biomassa.
A utilização por parte de pescadores de má índole do chamado “Amarrador” é uma praga que se espalha pelo lago mais do que a malária e a dengue. A arapuca é feita para pescar cardumes que sobem o rio e consiste em várias malhadeiras amarradas entre si – nas laterais e em sua altura -, com objetivo de atingir a parte mais funda do reservatório formando depois raio de 360 graus, quando é fechada em determinado ponto do lago com grande quantidade de peixes presa.

Post de 

2 Comentários

  1. Val-André Mutran

    31 de maio de 2007 - 21:49 - 21:49
    Reply

    Uma dica ao mestre:

    Sua denúncia tem que ser publicada no New York Times!

    Faça a matéria que enviarei em inglês para os maiores do mundo.

    É matéria para Prêmio Esso e prêmios de monta lá fora se, devidamente esmiuçada, gravada e fotografada, assim como, ouvido todos os atores.

    Vá fundo Pelé.

  2. Anonymous

    31 de maio de 2007 - 00:03 - 0:03
    Reply

    O Ibama é formado por servidores que so sabem fazer greve. E quando dizem que estão trabalhando perseguem quem produz. Ir ao Lago de Tucuruí combater a pesca predatório, disso o órgão não quer nem saber.
    João Armando Furtado – Jacundá

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *